domingo, 23 de junho de 2013

e i s o p t r o f o b i a

O suor debaixo do pano; agora é apenas resto mortal de delírio, eu juro.
Entregariam a Bíblia ou os remédios se eu contasse, então calei.
No fundo eu sei que é preciso se agarrar a algo...
Meus lençóis congelam, meus gestos se perdem e eu não sei mais.
Apenas sei do que me interessa, e que saliva seca e cabelo cai.
E o suor fede debaixo do pano, mas disso ninguém lembra, agora não.
Ela está esperando, com sua lábia toda debaixo da renda.
Mas não é da minha conta, então por que você me conta?
Quem vai tomar conta de um corpo sem controle, sabe?
Um corpo deitado e em queda livre; vi alguém me estender a mão.
A minha própria mão faz esse gesto; porque é essencial, todos dizem.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Sobre o resto de nicotina nos seus dedos

mais conhecido como "A Volta de Caio e Clarice".



Caio nos seus sonhos e você que cai de boca, Clarice. Você beija. E na língua caio como as cinzas do seu coração, que já se desmanchou nas mãos de alguém feito um cigarro.



drink to me
drink to my health
you know
I can't drink anymore.