sábado, 25 de fevereiro de 2012

Churrasco de manchetes

Não espere. Não duvide também.
Nem pense. O mundo não vai ser bom. O mundo não vai ser ruim.
Talvez aparente algo melhor. Ou então seja pior.
Em manchetes escritas com sujeira, a verdade embaixo da poeira... Se você enxergar, se você varrer... Sinto muito, chore a toa. Porque não é só de você que depende.
Não espere que o rio tenha água. Não espere por vacas cheias de carne. Não espere que, se tiver vacas cheias de carne, as comerá. Talvez coma uma delas. Mas ela lhe dará as costas antes do churrasco.
Apague a luz, como quem apaga um cigarro. Por favor, pense que não enxergar é saudável.
E faça silêncio quando apunhalarem suas costas. 
Sorria quando perder até o que não tinha.
E ataque as pessoas por acreditarem em algo. Ou ataque porque elas simplesmente não acreditam em nada.
Veja o literal. Interpretar metáforas vai matá-lo de fome. Sua mãe avisou, o padre também. E o presidente, e a polícia... E todo mundo vai fingir que não entendeu. Ou vai julgar os que não enxergam, e continuam a seguir o rebanho.
Não sou churrasco, pois bem. E não gosto desta manchete.