domingo, 11 de dezembro de 2016

I got sober; I’m not a soldier.

Retoco o batom como quem não percebe nada; eu bebi demais hoje. É quase madrugada e ...

Amanhã vou sentir uma puta ressaca, amanhã vou sentir falta das pessoas e vou ficar pensando em como a vida é curta. Odeio, neste instante, o fato de ter conhecido essas pessoas que eu adoro, essas pessoas que não sei se estarão comigo para sempre e vão me fazer falta, vão me arrancar lágrimas.

No momento eu só consigo sentir vergonha – vergonha por estar atrapalhando o clima entra as duas amigas ao meu lado. Eu sou uma idiota quando bebo.

Por que a gente se acha quando bebe se, na verdade, a gente se perde...¿

Eu quero sumir. Eu quero sumir. Eu quero sumir. EU. QUERO. SUMIR.

Eu quero minha cama e meu namorado. Eu quero alguém para me aquecer do jeito que elas se aquecem – porque eu me sinto solitária e depois não sei por que fiquei ali.

Fico em silêncio. Finjo que sumo. Entendo por que não tenho tantos amigos assim. 

terça-feira, 1 de novembro de 2016

segunda-feira, 18 de julho de 2016

a gente

que digitais vão tentar entrar aqui
quando amanhecer

você vai ter anos a mais
para sempre
você sempre vai estar cansado

como todos

quando as nossas digitais vão se confundir
em uma chave da mesma porta
e vamos nos obrigar a nos amar fisicamente todo dia

quando a gente confirmar que nada deu errado

eu vou poder ler você inteiro
ou nos aliviar de outras digitais

a gente apaga a luz e dorme

não provamos nada para ninguém
umas digitais imundas desenham pontos de interrogação
em nossa janela

d’alma
que eu lhe vendi
quando eu engoli a sua

a gente acorda bem

enfim

domingo, 3 de julho de 2016

made of gold, i never loved her

eu tinha dezessete anos
e eu já não era

legal
eu esperava na porta da minha escola
I’m waiting for my men; ILEGAL
feito droga
eu achava que era
legal

ele foi o primeiro
não o primeiro
mas o primeiro que chamei
de amor

sem saber que aquilo não era amor

ele alimentava meu vício
efeito placebo: eu sentia
efeito nocebo: eu sentia


ele 

domingo, 5 de junho de 2016

a heart will swell before it is hardened

meu antigo psicanalista me chamou de mal comida
meu antigo professor me chamou de mal criada

por sentar de pernas abertas naquele uniforme
que muito homem acha que é fetiche
camisa
gravata

saia
por aqui só os meninos podem olhar
o privilégio de uma visão distorcida
eles pensam que estamos aqui
para servir

ou para casar
não posso nem falar com outra mulher
dizem que ela vai roubar o que eu

falo
endurecido um coração que nem pode se expressar
cruzo meus dedos
sem aliança

eu tinha dezesseis anos
e um amor sem ninguém para dar

dizem que é feio mulher dar amor a si própria

domingo, 29 de maio de 2016

norma jeane

meu vestido branco nunca
foi de noiva – eu
sempre fui a outra.
você
me colocou assim.

você
que me queria assim mesmo

alucinada despenteada descabelada embriagada intoxicada desafinada desentoada

você
would you like to fuck me in the tub?
com sua psico
análise

pata – vocês pedem
vocês podem
vocês colocam a coleira no nosso dedo

vestido ao vento
eu pedi?
eu pequei?
você
would you like to fuck me?

você esqueceu os seus sapatos
tão caro
tomei minhas pílulas

do dia seguinte
vocês nos deixam de lábios vermelhos de sangue
e nos chamam de puta

vocês disseram todos que eu não era mulher para casar
com minhas gotas de chanel
número cinco
manchetes me flagram

would you like?

um corpo nu na banheira da casa do psicanalista

sábado, 21 de maio de 2016

vulva - cais



sou um útero vazio
vezes pergunto por onde tem andado
(sei que não devia desconfiar)
confiar

você navega em minha dor
me embriago das sobras alcoólicas em seu hálito

eu sou caos
você me atraca

eu nunca achei que fosse ser mulher de âncora antes de você.

domingo, 8 de maio de 2016

you are in my blood like holy wine

Encaixe.

Eu tenho vacilado.
Eu me doei;
 dê mais, eu dizia
dando menos.

Eu me doei demais –
temos mais
de dois
anos. Luz azul
nos flagrava.

Você encaixa tão bem dentro de mim
que me rouba
de um jeito bom. Gozo,
sinceramente
até demais.

Você me encontra nua
o tempo todo.
Você me (in)veste
de você
o tempo todo.

E eu nem percebi como foi –
nos encaixamos tão bem,
nós encaixamos também.

Meu coração lhe (a)bate;

perdoa os hematomas.

segunda-feira, 7 de março de 2016

tristeza não é poesia; é tédio

caiu o mundo lá fora
as pessoas se desenroscam cada vez mais
e eu sinto falta - não sei de que(m)

o sol não deve sair tão cedo
digo em tom de alívio
numa conversinha de elevador

elevar dor

será que alguém sabe o que é ser feliz?
todos acham faltas lindas
uma saudade sem tradução

mas eu queria ser racional
vocês não sabem a falta de poesia dessa tristeza toda

pessoas são um falso enrosco
com seus elogios
o sol nasce cedo demais

falam para usar tristeza e publicar um livro
padrão best-seller
dizem que ainda vou ajudar alguém

eu que preciso de ajuda

já nem sei mais escrever
só sinto fome
e medo
pessoas só pensam em fazer perguntas estúpidas

me alivio embaixo do chuveiro
lâmina

sábado, 27 de fevereiro de 2016

sobre a mesa

descanso impróprio
quase obsceno
desse casal; nós
somos pegos de surpresa
num sono
numa praça de alimentação:
entre beijos e múrmuros,

está tudo bem.